segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

Manuel Bandeira

(excerto)

Era terça-feira gorda. A multidão inumerável
Burburinhava. Entre clangores da fanfarra
Passavam préstitos apoteóticos.
Eram alegorias ingénuas ao gosto popular, em cores cruas.

Iam em cima empoleiradas mulheres de vida,
De peitos enormes - Vénus para caixeiros.
Figuravam deusas, - deusa disto, deusa daquilo, tontas e seminuas.

A turba, ávida de promiscuidade,
Acotovelava-se com algazarra
Aclamava-as com alarido
E, aqui e ali, virgens atiravam-lhes flores.

(do poema Sonho de uma terça-feira gorda)

in CARNAVAL (1920)

2 comentários:

compincha disse...

Olá, pá!
Vim aqui ter. Bons tempos, os das aulas de Lit. Brasileira,no caixote do Campo Alegre, com o "gato" do A. (nessa altura) ainda. Agora já deve estar...
Bom. Amanhã já são "Cinzas".

C.

António Silva disse...

Amiga!
É sempre com enorme prazer que passo por este seu belo
espeço. Tenha um bom final de semana. Abraço. António