sábado, 1 de novembro de 2008

JUKEBOX 2 - Manuel de Freitas

__________________________
ALDINA DUARTE, 2007

O Sr. Vinho fazia apenas mais
um ano do que tu. São coisas que
acontecem, tão exactas e por vezes
belas como a tristeza de saber
que "tudo aquilo que hoje
existe/um dia há-de morrer".

Aquele corpo, de olhos fechados,
pedia com as mãos que não
o fotografassem essa noite,
sujando uma alegria que até na dor
prevalece e ficou, durante alguns
segundos, encostada aos nossos ombros.

quando ouviram Ai Meu Amor
se Bastasse as pedras de gelo
aceitaram desfazer-se no meu copo,
muitos anos depois de termos gasto a morte:
agora que nenhum esquecimento basta
e se reacende, todavia, a vela frágil do amor.


Jukebox 2, Teatro de Vila Real, Out. 2008


Mais poemas de Manuel de Freitas aqui , aqui e aqui

Para os mais interessados, Averno diz mais.

2 comentários:

António disse...

Amiga
Obrigada pela visita, pelo comentário deixado e, também, pelo carinho.
A sua visita é um incentivo para continuar.
Tomei a liberdade de enviar por e-mail o solicitado.
Um grande abraço. António

Leila Andrade disse...

Inês,
feliz e encantada por conhecer seus espaços.
Escrevi a você no e-mail, aguardo seu contato.
Beijos.