quarta-feira, 15 de outubro de 2008

António Ramos Rosa

__________________________

O Funcionário Cansado

A noite trocou-me os sonhos e as mãos
dispersou-me os amigos
tenho o coração confundido e a rua é estreita
estreita em cada passo
as casas engolem-nos
sumimo-nos
estou num quarto só num quarto só
com os sonhos trocados
com toda a vida às avessas a arder num quarto só
Sou um funcionário apagado
um funcionário triste
a minha alma não acompanha a minha mão
Débito e Crédito Débito e Crédito
a minha alma não dança com os números
tento escondê-la envergonhado
o chefe apanhou-me com o olho lírico na gaiola do quintal em frente
e debitou-me na minha conta de empregado
Sou um funcionário cansado dum dia exemplar
Por que não me sinto orgulhoso de ter cumprido o meu dever?
Por que me sinto irremediavelmente perdido no meu cansaço
Soletro velhas palavras generosas
Flor rapariga amigo menino
irmão beijo namorada
mãe estrela música

São as palavras cruzadas do meu sonho
palavras soterradas na prisão da minha vida
isto todas as noites do mundo uma noite só comprida
num quarto só

in Viagem através de uma Nebulosa (1960)

Nota: O poeta, dos melhores da nossa língua, nascido em Faro em 1924, passa mais um aniversário, no próximo dia 17 de Outubro.

4 comentários:

ângela marques disse...

Junto-me à homenagem pelo que o poeta me foi importante à roda dos meus 20 anos. Li, como quase tudo, febrilmente. Depois, fui encontrando outros e outros e outros...
Mas revejo sempre alguns poemas com prazer.
Abraço, I.L.

Victor Oliveira Mateus disse...

Também eu me junto a esta homenagem

De quase uma década de tantas e tantas conversas (duas publicadas,
2 ou 3 nas mãos da Agripina e numa delas o António discorre sobre a
sociedade tecnológica e a velocid/
a q correm as acríticas ordens/informações, outras perderam
-se por negligência minha...), de quase uma década de: conversas, gracejos, mal-entendidos, solidarie
dades... Eu continuo como no primeiro dia: quem é este homem?
Um gd. Abrç., I.L.

Victor Oliveira Mateus disse...

(O "Logros Consentidos", se quiser,
pode passar por "A Dispersa Palavra" e trazer o "selo Dardos")

António disse...

Amiga
Obrigada pela visita, pelo comentário deixado e, também, pelo carinho.
A sua visita é um incentivo para continuar.
Tenho um outro blog de poesia.
Um grande abraço. António