terça-feira, 5 de agosto de 2008

"Modificadores"???


Em conversa de Férias, com uma amiga, professora de Português numa das Secundárias da cidade, soube da recente nomenclatura (mais uma da TLEBS) para os adjectivos, que passaram a chamar-se "modificadores"...
Claro que é fácil de entender a perniciosa confusão que se estabelecerá na mente dos alunos, ao aprenderem outras línguas (o Francês ou o Inglês) onde l'adjectif e the adjective, não tiveram industriosos e lúcidos crânios pedagógicos a brincar às terminologias gramaticais.

-Mas essa gente ainda andará pelos Generativismos do sr. Chomsky, desactualizados, pelos maus frutos que deram em árvores e sintagmas?

-Pois, disse ela. Não sabe que as coisas aqui ainda acontecem com 20 anos de atraso?

-Ou seja, concluímos: quando os outros estão a tirar, nós estamos a pôr.



2 comentários:

ângela marques disse...

De facto eu não resisto a um bom desafio... Mas, aqui num espaço reduzido, tb se torna difícil clarificar tudo. Tentarei o meu melhor:
"Modificadores" são os adjectivos, assim como os advérbios. Os primeiros modificadores do nome e os segundos modificadores do verbo. Nada que não estivesse já implícito no prefixo latino "ad". A questão é que ao introduzir esta nova noção, está a introduzir-se toda uma nova conceopção linguística da língua. Concepção essa que foi pedagogicamente abandonada atempadamente, tanto quanto sei, há muitos anos.
Quanto ao que aqui se passa no domínio do ensino da língua materna, eu prefiro não avançar, tal é a confusão do "estado das coisas"...

Anónimo disse...

Isto está mesmo baralhado...e andam a tentar que nós, professores, fiquemos com má fama. Não acredito que tenha sido uma colega professora de português a dizer que os adjectivos passaram a chamar-se modificadores, porque isso é simplesmente mentira. Nenhum professor de português que saiba ler diria tal coisa. Pelo que... É MENTIRA. Parem de chatear os professores. Marrem antes com os políticos.
E, já agora, adjectivo é a classe de palavras e "modificador" a função sintáctica. E isso não tem nada a ver com o generativismo.