sábado, 13 de setembro de 2008

Nine eleven


ARCANO




As altíssimas torres
foram trespassadas por pássaros
alucinados. Um deus ofendido
pelos povos terem inventado
os dicionários, para fugir
ao castigo de Babel,
fez explodir essas formas
de arranhar o céu, sacrificando
milhares de vítimas. Algumas lançaram-se
das alturas, na fuga às chamas
para a enganosa respiração
da manhã. Consta que deus,
disfarçado de mortal
se escondeu nas montanhas.





I. L.
(A Enganosa Respiração da Manhã, Asa Ed., 2003)

2 comentários:

Logros disse...

Embora atrasada 2 dias, não quis deixar lembrar este facto tão marcante e indiciador de novos (i)limites e desiquilíbrios, correspondentes a outros tão antigos e milenares.

As torres. evocadas no poema, são também as de Babel e o Arcano n.º XIII, do baralho do Tarot, "A Torre".

samartaime disse...

E eu tarde venho. Mas para dizer que optei por lembrar o suicidio de Allende, as mãos decepadas e o fusilamento de Vitor Jara.
A imortalidade do crime tem vários aparatos e paisagens.
Fica o mexilhão, o eterno bombo.